O PORTADOR DA LUZ – PARTE 4, de Nelson Magrini

0044

 

8

 

Rio de Janeiro, cais do porto, por volta de duas horas da madrugada.

A noite estrelada e sem Lua proporcionava uma escuridão ainda mais plena. Sem maiores reflexos nas águas, o negrume avançava de tal maneira que o horizonte parecia inexistir, quase se confundindo com o céu, delimitado apenas por uma extensa faixa de minúsculos pontos brilhantes, dezenas de estrelas situadas à altura dos olhos. Para aqueles acostumados às grandes metrópoles, ou que viviam longe do mar, aquela visão simplesmente impressionava.

A embarcação se encontrava ancorada em um ponto mais afastado e de menor movimento do porto. Quatro homens e uma mulher aguardavam já a uns vinte minutos, quando finalmente os faróis de uma espaçosa van iluminaram a noite.

– Já não era sem tempo – bufou Carniça, contrariado, acenando para que dois dos homens tomassem posição mais à frente, rodeando o veículo.

– Só três guardas? Não é pouco para uma operação como esta? – questionou o homem nervoso, mal desceu do carro.

– É o suficiente – foi a resposta taxativa. – O seu Casimiro não gosta de chamar atenção. Quanto mais gente, mais aparece.

– Está tudo aí? – perguntou ansioso, desviando o olhar para uma série de engradados.

– Está tudo aqui. Vamos carregar e cair fora – confirmou Carniça, acenando para os homens iniciarem o carregamento. – Enquanto isso, quero lhe apresentar nosso… contato de importação, por assim dizer – disse, acenado para a jovem ao lado, com um sorriso  sarcástico – apenas para que tenha certeza de que as demais encomendas estarão garantidas, como prometemos.

Carniça fez menção de se virar e chegou a abrir a boca. No entanto, não disse mais qualquer palavra. De súbito, inúmeros holofotes poderosos se acenderam, ao mesmo tempo em que dezenas de máquinas fotográficas de precisão disparavam.

Através de um megafone, uma voz estridente se fez ouvir.

– Polícia Federal! Todos parados! Afastem-se do barco e larguem as armas!

– Você não disse que ele havia sido investigado? – perguntou a mulher, por entre os dentes, se refazendo de imediato da surpresa. Naqueles segundos de tensão, ninguém notara sua reação de elevar a mão e cobrir parcialmente o rosto, assim que as luzes se acenderam.

– E foi! – gritou Carniça em resposta, agarrando o homem pelo colarinho.

– N-não… eu n-não tenho nada com isso! – balbuciou. – Só quero a encomenda e…

– Cala a boca! – gritou-lhe o contrabandista de armas, empurrando-o contra a própria van. – Samuel, manda chumbo nesses caras, vamos cair fora daqui!

Os dois indivíduos junto a van nem precisaram aguardar a ordem. Um olhar de Samuel foi o suficiente para que mostrassem as armas, um par de submetralhadoras Ingram MAC10, de origem norte-americana, com capacidade de mil e cem disparos por minutos. Em segundo, o Inferno se fez vivo, e qualquer um compreendeu o porquê de tão poucas pessoas para guardar aquela operação. Armas como aquelas compensavam em muito o número de homens.

– Para o barco! – gritou Carniça, enquanto ele mesmo disparava em leque, abrangendo várias direções de uma vez só. – Vamos cair fora daqui!

Perdido em meio ao tiroteio, o homem da van tentou chegar à embarcação, sendo detido por Carniça no último instante, que o empurrou para fora.

– Você, não! Você fica e explica pros federais o que estava fazendo. Depois acertamos as contas!

– M-mas eu não sei… n-não me deixem… e-eu… – tentou articular, caindo com um baque seco contra o veículo.

Os dois outros homens mantinham fogo cerrado, cobrindo a retaguarda e fuga, enquanto o barco se colocava em movimento e se afastava a alta velocidade.

– Pega a van, Zé, vamos dar o fora daqui – disse um deles. No entanto, um disparo certeiro o colocou fora de combate.

Vendo o companheiro tombar, o outro passou a disparar e a gritar como louco, cometendo o descuido de se expor. Em segundos, dezenas de disparos fizeram-lhe o corpo chocalhar e estremecer, até tombar, silenciando-lhe a arma.

Como se o súbito interromper dos disparos fosse um sinal, dezenas de homens deixaram suas posições e avançaram, armas em punho, prontas a disparar. Em segundos, cercaram a van e os homens caídos.

– Você aí, pro chão! Mãos na cabeça! – gritou um agente, todo de preto e com colete à prova de balas para o homem encolhido junto à van.

Sem esboçar reação, a pele esbranquiçada como se o sangue lhe tivesse fugido, concordou com a cabeça, deitando-se e levando as mãos à nuca, apenas balbuciando frases incompreensíveis.

Poucos minutos depois, a situação se encontrava sob controle, e um homem trajando terno preto se aproximou. Embora a transferência da mercadoria havia sido frustrada e as armas apreendidas, o agente Francisco, da Logística, se achava contrariado.

– Merda! Avisamos que isso poderia acontecer!

– Bom, não podíamos colocar barcos-patrulha na área. Se tivéssemos feito, eles teriam percebido – justificou-se o encarregado da Polícia Federal, um tanto contrariado por ter de se submeter a um desconhecido. Fosse quem fosse o homem de terno preto, tinha papéis que lhe garantiam autoridade absoluta.

– Sei disso, você não tem culpa – respondeu, dando vazão à frustração. – Apenas não me conformo como escaparam debaixo de nossos narizes.

– Aquelas submetralhadoras eram armas poderosas. Poucos homens conseguem deter quase um contingente, ao menos por um tempo.

– Tempo suficiente para os outros escaparem – respondeu Francisco, observando o mar negro que se abria à frente. Àquela altura, a embarcação já havia sumido de vista, sem a menor idéia de que rota tomara.

– Ao menos temos um prisioneiro e aprendemos as armas – comentou por fim, o agente federal.

Francisco não respondeu. De fato, o prisioneiro era uma figura central para esclarecer o ocorrido e, sendo quem era, os possíveis desdobramentos daquilo tudo. Apesar disso, sentia-se inquieto. Duzentos AK-47 não eram coisa pequena. Mesmo assim, algo lhe dizia ser aquilo apenas a ponta do iceberg.

 

9

 

Dez da manhã daquele dia. Sede da Logística, sala de reuniões.

A mesa grande era ocupada por apenas três homens, estando o coronel Campos à cabeceira. Embora rígida, as faces deixavam transparecer-lhe a insatisfação.

– E isso é tudo o que temos.

Campos observou o homem à frente por uns instantes.

–Francisco – disse em tom quase professoral – você foi escolhido especialmente para chefiar esta investigação, pois sua folha de serviços é impecável, tanto em seus tempos de Forças Armadas. Bem como o período em que passou na Polícia Federal. E com todos esses méritos, você só tem isso para me dizer?

O agente passou a mão pelos cabelos que começavam a rarear prematuramente. O rosto se achava marcado pelo cansaço, não tendo descansado desde a apreensão na madrugada.

– Gostaria de poder dizer muito mais, coronel, mas existem incógnitas sobrando nesta história – comentou, fazendo uma pausa e exibindo uma foto de uma série que se encontravam espalhadas pela mesa – José Marcindo Gomes – continuou – preso junto ao carregamento de armas. Citado em duas ocasiões por informantes diferentes, que o ligaram ao contrabando e nos levaram às informações para montar a operação de apreensão. De início, acreditávamos que tais armas seriam destinadas ao narcotráfico, e foi quando este nome surgiu, sem qualquer histórico ligado ao crime organizado, saltando aos olhos apenas sua participação na Igreja da Luz e da Revelação, possivelmente uma de muitas seitas que surgiram nos últimos anos.

O coronel Campos apertou os lábios. Aquilo de fato saltava aos olhos, exatamente como seu agente falara. Se havia alguma coisa de incomum naquele caso, aquela era a informação.

– Gomes foi detido e agora se encontra na sede da Polícia Federal, junto a seus advogados. Há suspeita de que ele possua relações ao alto escalão dessa igreja, mas isso ainda não está claro, ou o envolvimento de outros membros com o contrabando das armas.

 – Julio – disse o coronel, voltando-se para o segundo agente presente – levante tudo sobre essa tal Igreja da Luz e da Revelação. Quero saber quem são, a quem respondem e principalmente, o que pretendem. Esta compra de armas pode ter sido uma ação isolada de um maluco, ou não – finalizou, retornando em seguida para o outro homem. – O que mais temos, Francisco?

– A estratégia de usarmos potentes holofotes e fotografarmos o flagrante foi um sucesso – respondeu, selecionando outras fotos. – O principal homem é este aqui – disse apontando – Jorival Tavares, conhecido como Carniça e uma espécie de gerente de Casimiro.

– O traficante de armas – comentou o coronel Campos, mais para si próprio.

– Exatamente – prosseguiu Francisco. – Jorge Casimiro de Abreu e Sá, conhecido traficante de armas, só trabalha com grandes negociações, muito embora até hoje nada se conseguiu provar contra ele. É tido como rico comerciante, importador e exportador, e tem por norma nunca se expor, o que parece ter funcionado estes anos todos.

– Há uns quatro anos houve um incidente, onde seu nome foi envolvido, não?

– Sim, coronel. Ao que tudo indica, ele se envolveu em um tiroteio, em circunstâncias pouco claras, com a polícia, mais precisamente com o tenente Rafael Eduardo de Barros, que comanda uma unidade experimental da Polícia Militar, que trabalha à paisana e procede a investigações. Na época, também se viu envolvido o principal assassino de Casimiro, Carllos Covallo, apelidado de Cavalo, brutal e sem escrúpulos.

– E esta jovem, quem é? – perguntou Campos, puxando um dos muitos flagrantes.

– Foi quem mais trabalho nos deu para identificar. É nítida a seqüência onde ela leva a mão ao rosto, encobrindo-o parcialmente, quando as luzes se acenderam, como se intuísse que fotos seriam batidas.

Campos assentiu com a cabeça, pensativo.

– Seu nome é Tatiana Michalovna – continuou Francisco. – Entrou no país, precedendo da Rússia, há pouco mais de um mês. Declarou-se em visita a negócios, funcionária das empresas Ukranivitch de maquinários industriais. Sua ficha na empresa bate com os dados fornecidos.

– E quem é ela de fato?

O agente Francisco não pode deixar de esboçar um sorriso pela perspicácia do coronel Campos.

– Depois de muito investigar e revirarmos quase todos os arquivos espalhados pelo mundo afora, alguns altamente codificados e secretos, descobrimos que seu verdadeiro nome é Pola Onatopp, nascida em São Petersburgo, Rússia, localizada às margens do rio Neva, na entrada do Golfo da Finlândia, Mar Báltico, em 1982, ou seja, possui apenas 26 anos, um tanto jovem para estar em uma posição de destaque em uma operação como aquela. Seu pai, Andrey Onatopp, foi agente da KGB, durante os anos de ferro, e estas são todas as informações disponíveis.

– Nada mais? – questionou o coronel, um tanto surpreendido.

– Nada, senhor. Até parece que esta mulher não tem passado.

– Talvez não queiram que saibamos de seu passado – ponderou o coronel. – São Petersburgo é conhecida hoje como a Capital do Crime, pela imprensa local. É uma cidade violenta, sede do chamado Sindicato do Crime ou Máfia Russa.

– Então ela deve ser o elo de ligação de Casimiro com os traficantes de armas russos – constatou o agente Júlio.

– Pode ser, mas como Francisco disse, ela é um tanto jovem demais para estar à frente de uma operação internacional deste porte – respondeu o coronel, inquieto e desconfiado.

– Alguma outra possibilidade, coronel?

– Ou o Júlio está certo, apesar da idade… – disse o coronel Campos, batendo com o dedo, interrogativo, em uma foto de Andrey Onatopp, anexada ao relatório – …ou é uma das agentes de Nikolai Patrushev, chefe do FSB, Serviço Federal de Segurança, antiga KGB e atual Serviço Secreto Russo.

 

 

Anúncios

~ por jmodesto1 em 6 dezembro, 2008.

11 Respostas to “O PORTADOR DA LUZ – PARTE 4, de Nelson Magrini”

  1. Gostei do trecho, principalmente o “Carniça” tipico covarde para situações como estas.
    Adorei o relatorio onde a ligação KGB, seria inevitavel.
    O Campos esta cada vez mais para o Picard do que para o Kirk.

  2. He he, “mais para o Picard do que para o Kirk” foi ótima! Bom… afinal ele é o chefe e não um agente. Tem de ser mais comedido. Mas como você bem pode perceber, ele não é bobo!

    Abs!

  3. Esta ação está demais, é um policial? Um conto de horror? De maneira simples e direta nos arremata para ler e ler até o fim e quando o fim chega dá uma tristeza. O negócio é esperar a continuação.
    Nelson, nem precisa falar nada, sou sua fã.
    Beijos
    Ana

  4. Oi, Ana!

    É sempre um prazer ler suas palavras

  5. Oi, Ana!

    É sempre um prazer ler suas palavras, obrigado.

    Um beijo!

  6. sem palavras, suas obras sao curiosas.
    adoro livros sobrenaturais.
    continue assim, vou ler mais seus livros..

  7. Muito bom, mas kd o “homem de fé” será que ele aparece no próximo capitulo?

    Ua

  8. Valeu, Denise, obrigado! E aguarde, muitas supresas ainda estão reservadas para O Portador da Luz.

    Um beijo!

  9. Helder, he he, não só aparece, como você nem imagina o que virá pela frente. Espero que seja de seu agrado. A propósito, valeu por todos os comentários em cada parte da minissérie.

    Abs!

  10. Muita ação e movimento entre os personagens neste capitulo.

  11. É, Ângela, este aqui foi o do tiroteio. E muita coisa ainda por vir.

    Bjo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: