LEITOR DO MÊS NOVEMBRO/2008

  

 

A pequena caravana seguia pela planície verdejante, escoltando a carroça de madeira que carregava a filha do rei de Oreon. Sophia ia casar-se com o príncipe herdeiro do reino de Troy, terras longínquas que margeavam os fiordes gelados ao norte, berço de bravos guerreiros de longos cabelos claros e trançados. Seu casamento havia sido acordado quando ela era ainda criança, seria um casamento de conveniência, arranjado para manter a paz entre os dois reinos que já haviam guerreado em passado não muito remoto.

Sophia tinha apenas dezesseis anos, mas já era uma bela mulher. Alta e esguia, longos cabelos negros e lisos, olhos negros como a noite, pele morena, herança de seu povo. Com ela viajavam alguns serviçais, suas aias de companhia e sua ama de leite, que a acompanhava a todos os lugares. Como segurança o rei de Oreon havia enviado uma escolta composta de dez de seus melhores soldados.O caminho até Troy era longo e perigoso.

Sophia não estava nada alegre em deixar sua família e seus amigos de infância para morar em um reino desconhecido. Mas as mulheres não tinham escolha, deviam cega obediência aos pais. Ela só havia visto seu noivo de longe, quando ele veio para oficializar o noivado, e não gostou do que viu. Ele era velho demais para ela, poderia ser seu avô.

No fundo de seu coração ela tinha uma grande esperança que algo acontecesse e impedisse seu casamento com o velho príncipe. E era nisso que pensava durante o longo trajeto pelas planícies de Oreon. Mantinha-se alheia a tudo, deixava-se ser lavada, penteada e vestida pelas aias. Seu pai fez questão de mandar fazer os mais belos vestidos e tudo que uma noiva pode precisar. Sophia não faria feio diante da corte de Troy.

Já estavam viajando há uma semana e conforme se afastavam de Oreon, a temperatura ia caindo gradativamente, mudando a paisagem e fazendo com que os grossos casados de pele fossem retirados dos baús. E com a proximidade das montanhas, chegavam os perigos. Diziam que havia grupos de salteadores e mercenários que atacavam os viajantes, além dos profundos precipícios que circundavam as estradas estreitas que atravessavam as montanhas geladas. Resolveram acampar mais cedo naquela tarde. Estava muito frio e já estavam no sopé da imensa cordilheira. Melhor seria seguir durante o dia. Após o jantar todos se recolheram para dormir. O dia seguinte prometia ser cansativo.

Lá pela meia noite, sob um céu estrelado e sem lua, foram acordados pelo barulho de cavalos e pela gritaria dos vigias.

– Cuidado, estamos sendo atacados. Cuidem das mulheres e cavalos.

Em poucos segundos o pequeno acampamento estava cercado de guerreiros vestidos com armaduras negras, não se via os rostos ocultos pela noite, pelas rígidas vestimentas e elmos. Sabendo-se em desvantagem, o capitão da escolta perguntou:

– O que querem de nós? Estamos viajando em paz.

Foi então, que o maior dos guerreiros de negro adiantou-se do grupo e disse:

– Queremos as mulheres e os cavalos.

– Mas que pretensão a sua.

– Ou elas vêm por bem ou virão por mal. Vocês decidem.

Ouviu-se o brado da escolta:

– Atacar!

O barulho das espadas sendo desembainhadas ecoou na escuridão. As mulheres estavam apavoradas dentro da carroça, menos Sophia. Para ela o que estava acontecendo era providencial. Ela via ali, uma chance de fugir de seu destino. A luta encarniçada do lado de fora da carroça parecia chegar ao fim, os guerreiros de negro eram muito superiores em número e força. Os poucos soldados de Oreon jaziam no chão, mortos ou mortalmente feridos.

O chefe dos guerreiros parou ao lado da carroça e saltou de seu enorme cavalo entrando subitamente na parte de trás onde estavam as mulheres que gritaram apavoradas. Todas menos Sophia que, empertigando-se, encarou o enorme guerreiro de frente, sem medo.

– O que quer de nós?

– Quem é você?

– Sou Sophia, filha do rei de Oreon e ordeno que nos deixe em paz.

– Ah, então você é Sophia. Estava aguardando sua caravana.

Rindo de forma gutural, o guerreiro simplesmente agarrou Sophia pelo braço e a arrastou para fora da carroça. Logo seus companheiros faziam a mesma coisa, cada um escolhendo uma mulher e amarrando-a para que não fugisse.

Antes de montarem em seus cavalos os estranhos guerreiros tiraram seus elmos, revelando as presas afiadas, e atacaram os únicos homens sobreviventes mordendo-lhes o pescoço e bebendo o sangue que jorrava copioso. Em alguns casos, mais de um guerreiro se alimentava no pobre corpo desfalecido. Um pouco depois sobraram apenas os corpos dilacerados e totalmente drenados. As mulheres gritavam enlouquecidas com a cena violenta e apavoradas com o que esperava por elas. Algumas desmaiaram e foram prontamente jogadas na garupa dos cavalos. Sophia não gritou e nem desmaiou, mas chorou por seus criados e pelos soldados de seu pai.

Olhou com ódio para o chefe dos guerreiros.

– Por que tamanha violência?

– Somos naturalmente violentos minha cara, somos vampiros e precisamos nos alimentar, não importa se matando pessoas inocentes.

Sophia já havia ouvido falar destes seres, mas pensava que era uma invenção dos antigos para amedrontar as crianças que não queriam ir para a cama. Lembrava-se que sua ama de leite contou algumas estórias sobre os vampiros para assustá-la e impedir que passasse a noite perambulando pelo castelo. E agora eles estavam ali, surpreendentemente reais.

– E o que quer de nós monstro?

Sem responder ele subiu em seu cavalo, pegou-a pelo braço e fez com que ela se sentasse em frente a ele. Não adiantou se debater, ele era forte demais. Os outros guerreiros seguiram o exemplo do líder e saíram a galope em direção as montanhas.

Por incrível que pareça, Sophia não estava com medo, sentia sim uma forte atração pelo homem alto e forte que a segurava tão firmemente colada à armadura dura e gelada. Cavalgaram por um tempo que pareceu uma eternidade até avistarem uma alta fortificação de pedras, encravada na montanha rochosa. Era um pequeno castelo, bem menor do que onde ela vivia com seu pai, mas um belo castelo rodeado por um fosso profundo.

Quando os cavaleiros se aproximaram do castelo, a porta elevadiça foi abaixada e todos entraram. A porta fechou-se logo depois, isolando-os do mundo lá fora. Os guerreiros desmontaram e saíram arrastando suas mulheres entrando em pequeninas casas de pedra sem janelas. As mulheres gritavam como loucas, mas não escaparam de seu destino.

– O que vão fazer conosco?

Pela primeira vez o guerreiro tirou o elmo que o protegia revelando um rosto bonito e extremamente másculo. Tinha longos cabelos claros e olhos de um castanho profundo. Seus lábios grossos contrastavam com o nariz afilado.

– Meus homens precisam das mulheres.

– Precisam para que? Para matar e comer como fizeram com os homens?

– Quase isso.  Mulheres têm diversas outras utilidades. Além do mais, depois desta noite todas serão escravas obedientes e submissas.

Um sorriso cínico e sensual se abriu no rosto dele quando ela o olhou com os olhos arregalados de horror e repulsa.

– Não se atreva a encostar a mão em mim maldito.

Os gritos das mulheres podiam ser ouvidos através das paredes de pedra das casinhas, gritos que aos poucos foram silenciando e transformando-se em suaves murmúrios.

– Venha Sophia, vamos entrar, quero mostrar-lhe uma coisa.

Sem saída Sophia teve que segui-lo para dentro do castelo passando por uma enorme porta de madeira toda trabalhada, que se abria em arco para uma imensa sala onde dezenas de velas, em candelabros de prata, iluminavam o ambiente parcamente mobiliado.

– Meu nome é David McLeo, venho das terras ao norte. Fui capitão do exército do rei de Troy muito tempo atrás. Fui transformado no que sou agora por um vampiro que habitava a floresta dos antigos druidas. Fui poupado por ser o mais forte e o mais valente. Ele achava que se tivesse guerreiros fortes o suficiente, poderia montar um exército de vampiros e dominar todos os reinos. Era um louco. Fui obrigado a matá-lo e agora vivo aqui no castelo que lhe pertencia. Sou o príncipe das trevas, herdeiro de seu reino de terror. Sou imortal.

– E por que me trouxe aqui e como sabe meu nome e quem sou?

– Eu a vi pela primeira vez quando era apenas uma menina, fui com o rei de Troy até o castelo de seu pai quando foi pedir sua mão em casamento para o príncipe. Você era uma linda menina. Nunca mais pude esquecê-la, pois antecipava a bela mulher na qual você se transformaria. E isto responde às suas perguntas.

– Como sabia que estávamos vindo?

– Nós, vampiros, tudo sabemos. Temos poderes sobrenaturais.

Aproximando-se de Sophia, David tocou seu rosto e o cabelo macio. Seus olhos brilhavam com tal intensidade que ela não conseguiu desviar o olhar e se deixou envolver. Seu corpo foi ficando cada vez mais leve, o tempo pareceu parar. Apenas aqueles olhos, como duas brasas, pareciam importar. Sem perceber Sophia deu alguns passos à frente deixando-se enlaçar por dois braços que a puxaram ainda mais, abraçando-a com força.

– Eu te espero há tanto tempo Sophia e agora finalmente és minha. Serás minha princesa para sempre.

Os lábios do vampiro tocaram suavemente os lábios de Sophia que, esquecida de tudo, correspondeu ao beijo e entregou-se completamente.

As enormes mãos de David seguraram a cabeça de Sophia fazendo-a se reclinar levemente para o lado. Beijou novamente os lábios dela, os olhos, o pequenino nariz arrebitado, o rosto e foi descendo pelo pescoço, provocando arrepios desconhecidos. Quando as presas enormes enterraram-se na pele macia, Sophia apenas gemeu em êxtase. O mundo girou sob seus pés, um vulcão de emoções irrompeu dentro dela e ela experimentou a melhor sensação que já havia sentido na vida. De seus lábios escapou um gemido que incendiou o coração do vampiro, enquanto o sangue quente descia morno e delicioso.

Antes que não pudesse mais parar, David tirou as presas do pescoço imolado e, num ímpeto apaixonado, rasgou seu próprio pulso e fez com que Sophia bebesse do sangue negro. Ainda sob efeito do olhar hipnotizador do vampiro, ela sorveu o líquido amargo em grandes goles. David tirou o braço, gotas de sangue manchavam o rosto e os lábios de sua amada. Ele lambeu sua pele, limpando cada gota rubra com carinho e desejo crescente até que ela escorregou para o chão. Em alguns minutos Sophia gritava em agonia estirada no chão de pedras imundo, debatendo-se como louca. A morte chegou rápida e implacável, uma palidez incrível cobriu a pele morena. Quando abriu os olhos novamente, ela já não era mais uma mortal. Todos os sentidos estavam aguçados e uma grande euforia tomava conta dela.

– Agora serás minha Sophia, minha princesa, para sempre.

Um longo beijo selou a união macabra. E assim, iniciou-se o maior reinado de terror que os habitantes daquela região já tinha ouvido falar. E até hoje, nos tempos modernos, os viajantes evitam passar por aquela região. Rezam as lendas que, ninguém que se aventurou por aquelas paragens saiu vivo para contar a história.

 

fim

 

 

=======================================SOBRE O LEITOR

ANA KAYA 

Ana Cristina Magalhães Buonanato, mais conhecida no underground literário como Ana Kaya, começou a escrever desde criança, tendo um grande período de inércia e voltando agora novamente a grande arte das letras.

Nascida em São Paulo, capital, tem no sangue a poluição e a energia desta grande metrópole. Mistura bombástica que pode ser captada em seus trabalhos. A solidão e os sonhos. A tristeza, os grandes sentimentos e a loucura.

 


18 Respostas to “LEITOR DO MÊS NOVEMBRO/2008”

  1. Parabéns pela grande oportunidade de publicar um ótimo texto!!!
    Sempre sua fã!

    Rê***

  2. Ana,seu texto me impressionou muito…
    continue assim linda.
    beijos

  3. Modesto, ficou lindooooooooooooooo adorei a figura. Realmente é uma grande honra e prazer estar aqui entre vocês.
    Obrigada pela bela figura e por eu estar aqui, pq sem a aprovação de todos o Nelson não ia fazer nada.
    Brigadaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa, tá de mandar enquadrar ahahahah.
    Abraços grandes

  4. Muito bom Ana, excelente conto…parabéns.

  5. Ah, meus amigos que lindos…………vieram me ler. E conhecer o site tb né, se não entrar não fica sabend que tem.

  6. Eu não exagerei quando disse que vc tem talento. Sempre apostei neste seu dom. Estou torcendo muito pelo seu sucesso.
    Esta dificil escolher o melhor conto. Parabéns!!!

  7. Muito bom, Ana.

  8. Aninha…linda vampirinha, vc é o máximo!
    Que criatividade!
    Adorei!
    Meu beijo sangrento.
    Clara Longhi

  9. A Ana é mestra em contos vampíricos! Eu amo suas histórias! Tem charme, erotismo, terror…parabéns querida!

  10. Gosstei muito, mais um ótimo conto.
    Sempre vale a pena visitá-la em seus escuros castelos.

    Grande beijo………..continue!

  11. Olha a Ana no seu elemento natural. Romance, erotismo e aventura. Parabéns, Ana. beigius!

  12. Agradeço a todos pelo carinho em virem ler e deixar um recadinho.
    Adoro vocês.
    Desse jeito vou ficar toda toda……….
    Beijos e mordidas a todos

  13. Querida irmã estou feliz por você e pelas pessoas que vão ter a oportunidade de conhecer o seu dom da escrita.
    Você é uma pequena estrela no nosso universo que irradia grande luz,beijos no seu coração.

  14. O mês está acabando e com ele o meu conto vai embora pra dar lugar a outro. Estou triste, mas todos tem que ter sua oportunidade, não fui das mais visitadas, tb não fiquei pedindo pra muita gente vir, pois tem que se cadastrar, comentários moderados, teve uma amiga que ficou louca da vida ahahahha, falta de costume de entrar nestes lugares.
    Amigo Nelson, te agradeço de coração pela oportunidade e te desejo muito, mas muito sucesso e alegrias neste vida. Que seu novo livro seja um must e venda muito.
    Quanto aos outros donos do blog, meu obrigada tb, apesar de nem falarem comigo nem comentarem o texto nem nada. Devem ser de outro mundo tb ahahahahahahah, ghosts……….. aqui é o lugar certo pra achar coisas assim estranhas ehehehhe.
    Nelson, vc é um grande amigo, te gosto muito.
    OBRIGADAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA e espero ter estado á altura do blog de vcs com meu texto.

    Beijos Nelson toda paz e felicidade pra vc.

  15. Um texto que prende a gente na leitura até o final.
    Realmente atraente e apaixonante.
    Vampiros a parte realmente é um grande Amor que se manifesta numa forma de expressáo marcante e encantadora. Jovens cheios de beleza e energia num poderoso Amor.
    Muito bem descrito nos detalhes mais diversos da sua abrangéncia.
    Esta Autora escreve muito bem, merece todos elogios.
    Parabéns.
    Abracáo Amigo

  16. Ana(Vampirona) rsrsrs que maravilha ver vc escrevendo assim, delizando em fantasias, sombrias……..vc escreve muito bem amiga, eu ainda quero um autógrafo seu em? de um belo livro de contos e poesias…arrasouuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu
    parabéns amiga.
    Mil beijuusss

  17. Ola, Ana!

    Quem lhe escreve é um dos “donos fantasmas” do FONTES (rsrsrs). Fique tranqüila que seu conto terá uma sobrevida (que nem o Principe dos Vampiros). Estamos estudando uma opção dos contos dos Leitores permanecerem durante um ano, até ser substituído, no ano seguinte, pelo novo conto do novo leitor daquele respectivo mês, mas isto tem que passar pela aprovação de todos. No FONTES, tudo o que é publicado tem que ser aprovado por unanimidade pelos três administradores (J. Modesto, Nelson Magrini e James Andrade). Então, mais uma prova de que seu conto merece um estágio maior em nosso blog.

    Um grande beijo!

  18. Parabéns, Ana! Muito bom mesmo. Quero ler outros contos seu.

    Um grande abraço,
    .

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: