LEITOR DO MÊS – JUNHO/2009

vampire4

       Sete minutos se passaram… Pode parecer pouco tempo, mas para alguém que galgou dez andares, totalmente decidido a interromper o curso da própria vida, é tempo demais.

      Assim que alcançou a beira do terraço do prédio, seu Alexandre – como é conhecido no bairro onde mora – foi tomado por uma covardia que não esperava. Estranhou o sentimento já que, meia hora antes, estava tão determinado. Naquele momento, já não tinha certeza se realmente era aquilo que pretendia fazer.

      O nervosismo, juntamente com o sol de verão da cidade de São Paulo, fazia com que transpirasse como um louco. Nesta época do ano, 35 graus não é temperatura incomum para os mais de dez milhões de paulistanos. Com isso, as roupas do homem já se encontravam coladas no corpo. Seu braço enfaixado por conta de um tiro que levara há alguns dias, formigava, dando-lhe tremendo desconforto. Os olhos tomados pelas lágrimas, embaçam-lhe a visão, no entanto, ele perdia tempo olhando as pessoas lá embaixo, sem se esquecer do motivo de estar ali, preste a dar um passo e acabar com aquele sofrimento.

      Mesmo da altura em que se encontrava, os sons da cidade chegavam-lhe com clareza: buzinas, motores, o sino da igreja, gritaria da feira livre, a gigantesca estaca afundando o solo de um terreno onde um edifício era erguido – a menos de um quarteirão… Mas nada parecia capaz de tirá-lo daquele estado que se assemelhava com um transe.

      Como nos desenhos antigos da Disney, o bem e o mal pareciam disputá-lo, cada qual sobre um lado do ombro, numa luta verbal pela influência de sua próxima ação. Os fatos ocorridos nos últimos dias talvez tenham-no desequilibrado e traumatizado de certa forma. Então, num acesso de desespero, o suicídio lhe pareceu atrativo.

       Seu Alexandre ensaiou um passo para a frente. Reuniu coragem. Quando pensou em sua mulher hospitalizada em estado crítico, retrocedeu. Na sequência, estremeceu e um calafrio cruzou sua espinha ao evocar em sua mente a imagem demoníaca da criatura, que, há três dias atrás, surgiu das sombras, mostrando-se para ele e sua esposa num beco. Alexandre nunca fora um homem adepto da religião, igrejas, mas sempre acreditou em Deus. Por toda vida ouviu falar no juízo final, na guerra entre anjos e demônios, no purgatório, no apocalípse… Contudo, nunca imaginou que um dia, seus olhos veriam uma criatura do inferno. Mas aconteceu. E este ser, este demônio, talvez por zombaria, fazia uso da imagem de sua filha morta há mais de dois anos. E qual não foi o choque destes pais já de cabelos brancos, ao depararem com aquela visão.

      Três dias antes: à noite, não muito tarde – por volta das 20h30min – seu Alexandre voltava com sua esposa Márcia, da casa do rapaz que – estava mais do que certo – tornar-se-ia genro do casal. Todavia, os planos de unir as famílias, foram interrompidos pela misteriosa morte de Marcela. Passaram-se dois anos e André ainda exibia em seu dedo, a aliança de noivado, fato que preocupava a todos. André se recusava a seguir com a vida. Afirmava convicto que seu amor por Marcela era um sentimento maior do que qualquer coisa deste mundo e pensando assim, o rapaz de apenas vinte e cinco anos, não se relacionava amorosamente e não tinha uma vida saudável. Consultas com psicólogos tornaram-se uma constante. André parecia não se cansar de repetir que daria a vida para rever seu amor, nem que fosse por apenas mais uma vez.

       Atencioso, naquela noite, havia oferecido carona para os pais de Marcela, mas seu Alexandre recusara. Dissera que preferia ir caminhando, afinal, estava muito quente e sua casa ficava a apenas alguns quarteirões de distância. A insistência de André nada adiantou.

      O ar quente tomava a cidade de Santos – litoral de São Paulo. As ruas estavam molhadas, pois há pouco havia chovido. Chuva de verão: forte, grossa, entretanto, rápida. Não durara nem quinze minutos. Mas foi o suficiente para transbordar bueiros e formar grandes poças pelo caminho. Carinhosamente abraçados, Alexandre e sua senhora seguiram pelas ruas desertas. Conheciam bem a vizinhança, visto que residiam há muitos anos no bairro. Foi então que o improvável aconteceu. Um automóvel com dois ocupantes, depois de uma freada brusca, derrapou e parou próximo do casal de transeuntes. Estes se sobressaltaram. Um homem negro e um branco, ambos de camisetas regatas, ostentando diversas tatuagens no braço, desembarcaram do veículo e de posse de pistolas semiautomáticas, anunciaram o assalto. Não eram moradores do bairro, disso Alexandre tinha certeza.

      Exigiram carteira, relógio, jóias; o que houvesse de valor.

      − Não temos nada! − Alexandre falou sincero.

       Os bandidos não acreditaram. Elevaram a voz ameaçadoramente. Entre as gírias e os palavrões desmedidos, as ameaças de morte fizeram com que as vítimas entrassem em estado de pânico. E foi nesta hora que Márcia apelou para o emocional dos jovens bandidos. Péssima idéia!

       − Não faça isso meu filho… temos idade para sermos seus pais.

       Disse isso pousando a mão no ombro do rapaz branco, que usava uma corrente grossa de prata no pescoço e um boné de marca na cabeça. Este deu sua resposta agredindo-a violentamente no rosto com um soco. A mulher de quase cinquenta anos tombou no chão molhado.

       − Não tenho pai, nem mãe. − bradou o agressor.

       Num impulso, seu Alexandre partiu pra cima do assaltante, ocasião em que foi atingido no braço por um disparo efetuado pelo outro bandido. Sob gemidos de dor, o pobre homem recostou-se na parede pichada e descascada. Seus olhos foram dos marginais para sua esposa caída. Esta fitou-o com o olhar alagado por lágrimas. Enquanto os agressores apontavam suas armas, as vítimas permaneceram caladas, mudas. Pareciam aguardar o estouro do tiro que lhes tiraria a vida. E isso estava preste a acontecer, mas um rosnado chamou a atenção de todos. Vinha da escuridão de um beco adjacente. Intrigada, a dupla de marginais apertou os olhos, tentando enxergar além da obscuridade e avistar aquilo que, para eles, deveria ser um cão. Nesse momento, dois pontos rubros furaram a escuridão e o rosnado aumentou de intensidade, provocando medo não apenas na dupla de criminosos, mas também, no pobre casal.

       Em resposta ao agressivo bramido emanado das trevas, disparos saíram das pistolas mirando aquela direção e, por conseguinte, um silêncio se ergueu. O par de pontos rubros desapareceu, tal como o rosnado. Aqueles que empunhavam armas se olharam. Abriram um sorriso mudo. Estavam certos de que o animal alvejado, havia ido para o inferno. Estavam enganados!

       Ligeira como um flash de uma máquina fotográfica, a criatura saltou da escuridão sobre o rapaz negro. Este não teve como se defender, indo ao chão e acabando por ter seu rosto horrivelmente dilacerado pelas unhas exageradamente compridas da criatura. O outro jovem, amedrontado, largou sua arma e correu. No entanto, num pulo gracioso e selvagem, o ser noturno, alcançou-o facilmente e numa brutalidade impressionante, mordeu-lhe o pescoço e, faminta, sorveu-lhe o sangue.

       Alexandre, que naquele instante amparava sua mulher, não pôde acreditar no que via. Ambos fitaram aquela cena horripilante com olhos arregalados de pavor e incredulidade. Aquele ser, aquele monstro que se alimentava do sangue de um ser humano, obtinha a aparência de sua filha Marcela, morta anos antes. O cérebro do casal entrou numa espécie de curto; como se estivesse em chamas. Sob forte estado de pânico, eles se abraçaram e se limitaram a assistir a macabra cena. A agonia fazia com que seus rostos se contorcessem em expressões diversas.

       Neste momento, a criatura de longos caninos sentiu o peso dos olhares que a fitavam. Levantou a cabeça e encarou o casal, a poucos metros de distância.

       Seus olhos vermelhos como fogo, sua pele esbranquiçada como a de um moribundo e o sangue espalhado em volta de seus lábios, firmavam uma imagem bizarra e doentia. Tomada por um misto de emoções, a mulher agredida pelo marginal, se ergueu. Um filete de lágrima correu em sua face ferida.

       − Marcela?… − balbuciou Márcia, amparada pelos braços do marido.

       Demonstrando atordoamento, a criatura assassina saltou mais uma vez. Apoiou-se num cano na parede, tomou impulso e ganhou o alto de um pequeno prédio, desaparecendo entre a escuridão da noite. Logo depois, Márcia passou a se sentir mal. Pousou a mão no coração: estava sofrendo um enfarto. Percebendo o que estava havendo, seu Alexandre em total desespero, gritou por socorro.

       De volta ao presente: as lembranças da noite em que viu um demônio apossado da aparência de sua filha falecida, alimentando-se de sangue como um animal selvagem, serviram como um medidor de desespero para seu Alexandre que, naquele exato momento, atingia o ápice. Somando-se a isso, ecoou em sua mente, a voz fria do médico do hospital, dizendo-lhe que não sustentasse esperança no caso de sua mulher.

       Com lágrimas descendo-lhe pelo rosto e o coração profundamente amargurado, o homem finalmente deu o passo que acabaria com seu evidente tormento e, também, sua vida.     

Sobre o autor Evandro Guerra – escritor e ilustrador. Participa regularmente do zine TerrorZine: minicontos de terror. Teve seu conto “Marcela” selecionado por Ademir Pascale para compor a coletânea Draculea: o Livro Secreto dos Vampiros.

Contato: evandroguerra@ymail.com


4 Respostas to “LEITOR DO MÊS – JUNHO/2009”

  1. Parabéns, Evandro. Não sabia que o seu conto já tinha sido publicado aqui, vi hoje.
    Um forte abraço,

  2. Parabéns Evandro, por mais esse excelente e brilhante conto! Suspense, drama, ação e terror nas medidas exatas. Uma prévia muito bem escrita e conduzida que faz aumentar significativamente a nossa ansiedade para ler o “MARCELA”. Que chegue logo o dia…

  3. Evandro, seu conto é fantástico, meus parabéns! Cada dia você nos surpreende com seus contos inspiradores. Um braço grande.

  4. É Ademir, francamente nem eu sabia! Espero que ninguém fique chateado comigo. Obrigado pela força Márson, Ademir e Elenir, e que venha o DRACULEA!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: